Perdendo força na mão? Como tratar a artrite do polegar

Imagine como seria frustrante tentar abrir uma jarra ou desabotoar uma camisa sem o polegar. Este sentimento é muito comum para aqueles com um dos tipos mais comuns de osteoartrite da mão.

A osteoartrite da mão é a segunda em prevalência perdendo apenas para a artrite do joelho nos Estados Unidos. A osteoartrite na articulação do polegar é o tipo que mais comumente faz com que os pacientes procurem o cuidado de uma mão ou cirurgião ortopédico. A articulação CMC (carpo-metacarpiana), fica entre o metacarpo do polegar e um pequeno osso chamado trapézio, permite um dos movimentos mais complexos do corpo humano.

Pacientes com idade superior a 40 anos correm risco de artrite do polegar, com mulheres afetadas cinco a 10 vezes mais do que os homens. Este fato ocorre pois as mulheres tem maior frouxidão ligamentar que os homens. Alem da idade e do sexo outras patologias podem contribuir para o desenvolvimento da artrite e consequentemente da artrose (Fraturas ou outras lesões da articulação, artrite reumatoide). Quando ocorre o desgaste desta articulação (perda da cartilagem) ela pode evoluir com rigidez e dor.

Sintomas

  • Dores nas atividades de pinça ou preensão
  • Edema (inchaço)
  • Sensibilidade alterada na base do polegar
  • Desconforto doloroso após uso prolongado do polegar

Exames

  • Estudo radiográfico
  • Ultrassonografia (para diagnostico diferencial)

Tratamento

Embora a artrite do polegar possa ser debilitante, vários tratamentos não-cirúrgicos podem aliviar a dor e ajudar a restaurar a função. Você pode se beneficiar de cobertura térmica por 5 a 15 minutos algumas vezes ao dia, outros tratamentos que você pode tentar em casa incluem acetaminofeno ou uma medicação antiinflamatória não-esteróide, compressas térmicas, banhos de parafina e / ou cremes tópicos para artrite. Órteses também podem fornecer algum alívio da dor.

Se a imobilização não aliviar a dor após alguns meses, a próxima fase do tratamento geralmente envolve injeções de esteróides (cortisona) diretamente na articulação. Embora diferentes médicos administrem isso de forma diferente, uma ou duas injeções geralmente valem uma tentativa e, em muitos casos, proporcionarão alívio duradouro.

Quando o tratamento não cirúrgico não é mais eficaz e a dor é incapacitante, a cirurgia é uma opção.

Um procedimento geralmente bem sucedido e recompensador é a reconstrução do ligamento e a interposição do tendão. Este procedimento foi refinado ao longo dos últimos 50 anos, mas ainda continua a ser o padrão-ouro para o tratamento cirúrgico da artrite da articulação basal.

Este procedimento envolve a remoção do trapézio e o uso de um tendão “sobressalente” do antebraço para estabilizar o polegar. Os pacientes geralmente usam uma tala ou gesso por até seis semanas, geralmente seguidos por um curso de terapia da mão

O procedimento fornece 95% de alívio da dor e cerca de 70% a 80% de retorno da força de preensão. Embora a recuperação completa possa demorar um pouco, a maioria dos pacientes acaba sendo muito mais funcional e muito mais feliz depois da operação do que antes.

Contate um cirurgião de mão para melhores esclarecimentos sobre a doença e a melhor forma de tratamento

Artigo original aqui

Dr Hugo Boin: Médico, Ortopedista, Cirurgião de mão e Microcirurgião. Residência médica em cirurgia da mão e microcirurgia - Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto (USP-RP). Residência médica em ortopedia e traumatologia ortopédica – Faculdade de medicina de Marília (FAMEMA). Graduação em medicina – Faculdade de medicina da Grande Dourados – (UFGD).